Fundado em 20 de Outubro de 2008, na cidade de Vila Velha-ES, somos um grupo de amigos/protetores dos animais, que os amam de forma incondicional e, nos preocupamos com a preservação de suas vidas.


Sem fins lucrativos, trabalhamos voluntariamente na elaboração de eventos beneficentes e na sensibilização do ser humano em prol dos animais.

Não possuímos abrigo, nem fazemos resgates, apenas apoiamos e divulgamos protetores independetes e entidades voltadas para essa questão.



sexta-feira, 24 de abril de 2009

COMPORTAMENTO: Donos influenciam na agressividade dos cães, diz estudo

Um novo estudo da Universidade de Córdoba (UCO), que inclui raças como o Rottweiler e o Pitbull, mostra que os proprietários são os principais responsáveis pela agressividade dos seus animais de estimação. Segundo o estudo, ao contrário do que pensamos, no comportamento do cães a raça têm menos peso do que outros fatores modificáveis e que dependem do proprietário. As informações são do jornal El Mundo.

De acordo com Joaquín Pérez-Guisado, principal autor do estudo, alguns fatores que podem causar agressão em cães são: o fato do proprietário não ter tido um cachorro antes, cães não submetidos a uma formação básica em obediência, mimar o cão em excesso, não usar punição física quando é necessário, adquirir o animal por capricho, castração das fêmeas, ou gastar pouco tempo para o lazer do animal.

O estudo, recentemente publicado no Journal of Animal, mostra que quase 40% da agressão em cães estão ligadas ao baixo autoritarismo do dono que nunca realizaram um treinamento de obediência com seu animal.

Investigadores espanhóis estudaram 711 cães (354 machos e 357 fêmeas) dos quais 594 eram puros e 117 mestiços, todos com mais de um ano de idade. Entre as raças estudadas destaca-se o Bullterrier, Pitbull, o Pastor Alemão, o Boxer, o Rottweiler, o Dobermann, e as raças aparentemente mais dóceis, como os dálmatas, o Setter irlandês, Golden Retriever, Labrador Retriever, o Chihuahua e o Bulldog.

De acordo com Pérez-Guisado, determinadas raças, de sexo masculino, pequeno porte e com idades entre 5 e 7 anos, "são fatores associados ao cachorro mais agressivo e com uma posição mais dominante". No entanto, esses fatores representam "um peso mínimo" para que o cão tenha um comportamento agressivo.

"Para corrigir o comportamento do animal, os proprietários devem seguir um tratamento adequado e restabelecer o domínio sobre o cão", diz o pesquisador. Quanto à punição, Pérez-Guisado disse que "isso não pode ser utilizado com todos os cães por causa do perigo envolvido, mas poderia ser utilizado para restaurar a obediência dos filhotes ou cães que são pequenos ou fáceis de dominar. No entanto, "o castigo físico deve ser uma forma de assustar e demonstrar o domínio que temos sobre o cão, e nunca trazer um grande sofrimento para o animal", diz o veterinário.

Segundo o pesquisador, "não é normal que cães que receberam uma educação adequada mantenham o comportamento agressivo." Pérez-Guisado atribui esta atitude "excepcional" para a existência de qualquer problema médico ou orgânico que podem provocar mudanças comportamentais em cães."

Redação Terra

Nenhum comentário: