Fundado em 20 de Outubro de 2008, na cidade de Vila Velha-ES, somos um grupo de amigos/protetores dos animais, que os amam de forma incondicional e, nos preocupamos com a preservação de suas vidas.


Sem fins lucrativos, trabalhamos voluntariamente na elaboração de eventos beneficentes e na sensibilização do ser humano em prol dos animais.

Não possuímos abrigo, nem fazemos resgates, apenas apoiamos e divulgamos protetores independetes e entidades voltadas para essa questão.



domingo, 4 de janeiro de 2009

Mundo Animal

Gato sobrevive a queda de 34 andares em prédio australiano
Folha Online
, 24/12/2008

O nome dele é Voodoo, tem sete anos e não se sabe se ainda mantém as tais sete vidas. Isso porque esse gatinho sobreviveu a uma queda de 34 andares de um prédio na Austrália.
Voodoo mora na cidade de Gold Coast, em Queensland. Ele caiu da janela do apartamento de sua dona, Sheree Washington, na segunda-feira (22).
Segundo Sheree, o gatinho foi deixado no parapeito do apartamento, onde costumava olhar o mundo. Por sorte, a queda foi amortecida por alguns arbustos.
Segundo o jornal "Daily Telegraph", Voodoo sofreu ferimentos leves.



Reprodução
Gatinho Voodoo sobreviveu a uma queda de 34 andares em edifício localizado na Austrália
_____________________________________________________________

Príncipe Edward é criticado por supostamente bater em cachorro

Londres, 28 dez (EFE)

O príncipe Edward da Inglaterra foi criticado por grupos de defesa dos direitos dos animais após a divulgação de fotos nas quais o filho mais novo da rainha Elizabeth 2ª aparece supostamente batendo em um cachorro.

Várias imagens publicadas hoje pela imprensa britânica mostram Edward, de 44 anos e conde de Wessex, com roupa de caça, uma escopeta debaixo do braço e agitando um pedaço de pau perto da cabeça de um cachorro que estava brigando com outro cão.

Aparentemente, os animais disputavam um faisão morto durante uma caçada no sítio de Sandringham, sudeste da Inglaterra, onde a família real tradicionalmente passa o Natal.

A imprensa britânica informa que também participaram da caçada o duque de Edimburgo, príncipe Philip, marido de Elizabeth 2ª; seu segundo filho, o príncipe Andrew, duque de York; e o príncipe William, filho mais velho de Charles da Inglaterra, herdeiro ao trono.

Barry Hugill, porta-voz da liga Contra os Esportes Cruéis, afirmou que Edward deu um "exemplo horrível", enquanto Andrew Tyler, diretor do grupo Ajuda Animal, disse que "é crime causar sofrimento a um animal de forma desnecessária".

"Bater em um cachorro é um ato patético, covarde e impiedoso. Parece que ele (o príncipe) tinha uma raiva passageira real", acrescentou Tyler.

No Palácio de Buckingham, residência oficial de Elizabeth 2ª em Londres, um porta-voz disse que "não ficou claro" que o príncipe estivesse agredindo o cachorro, apesar de as "fotos o mostrarem agitando uma vara".

"Não podemos confirmar, no entanto, se bateu no cachorro", acrescentou o porta-voz.

Não é a primeira vez que a família real britânica causa irritação nos grupos de defesa dos animais, já que a própria rainha foi fotografada há oito anos em Sandringham torcendo o pescoço de um faisão.

No ano passado, a polícia interrogou o príncipe Harry, irmão de William, em relação com a caça de dois gaviões pertencentes a uma espécie protegida no Reino Unido.
____________________________________________________________________

Égua é arremessada de morro pelo próprio dono em Jundiaí, SP
(29/12/2008)

Uma égua com sinais de maus-tratos foi arremessada de um morro pelo dono, em Jundiaí, no último sábado. O animal passou horas à espera do Resgate da prefeitura e só sobreviveu porque veterinários voluntários e a comunidade se uniram para mantê-la viva.
A égua, aparentando 3 anos, não tinha forças para se levantar. Segundo moradores, foi o dono quem empurrou o animal com a ajuda de um jovem de cima de um morro. Veterinários voluntários aplicaram soro no animal, após serem chamados pela Guarda Municipal de Jundiaí.
Os guardas tentaram encontrar o dono do animal, que seria morador de Várzea Paulista, mas ele não foi localizado.
Cinco horas depois do pedido de resgate, a égua foi sedada e içada pela equipe da prefeitura, com ajuda dos voluntários.
A Guarda Municipal solicitou auxílio da guarda de Várzea Paulista para tentar localizar o dono da égua.
____________________________________________________________________

Máscara para bebês reanima gatos vítimas de incêndios (30/12/2008)

Animais estavam dentro de casa que pegou fogo, na Inglaterra.
Equipamentos de resgate ganharam adaptadores para crianças
.

Bombeiros usaram máscaras de oxigênio para bebês após resgatarem seis gatos que haviam sido atingidos pela fumaça de um incêndio doméstico em Buckinghamshire, na Inglaterra.

De acordo com o “Daily Mail”, a equipe usou equipamentos com adaptadores para crianças na hora de reanimar os bichanos, que foram encontrados desmaiados. Um sétimo gato morreu.

Um porta-voz do Corpo de Bombeiros afirmou que a equipe entrou no apartamento cheio de fumaça com o objetivo de salvar os animais. “Nos informaram sobre os gatos e corremos pela casa cheia de fumaça, tentando localizá-los. Levamos eles para fora e usamos as máscaras de oxigênio para bebês”, disse.

Acredita-se que o fogo tenha sido causado por um adaptador de tomada que superaqueceu.
_____________________________________________________________

Nova vitória para barrar as provas de laço em rodeio de São João da Boa Vista
(31/12/2008)

A União Sanjoanense de Proteção Animal (USPA), instituição afiliada à Sociedade Mundial de Proteção Animal (World Society for the Protection of Animals – WSPA) foi mais uma vez vitoriosa em decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo. A Desembargadora Regina Zaquía Capistrano da Silva rejeitou embargo de declaração impetrado pelos organizadores da EAPIC, tradicional festa de peão do município paulista, realizada no mês de julho.

Em 2006, a USPA moveu uma ação civil pública para garantir a proteção da integridade física dos animais de rodeio naquele município, impedindo as provas de laço de bezerro, laço de dupla e bullgog. Por meio de liminar, as provas foram vedadas nos dois primeiros dias do rodeio, mas a União Sanjoanense de Esportes Hípicos conseguiu derrubar a liminar e realizar as provas naquele ano.

De acordo com Vera von Gossler, da USPA, a ação seguiu para o Tribunal de Justiça e em novembro de 2007 foi publicado o acórdão dando ganho de causa à instituição protetora dos animais. “Mais uma vez os organizadores recorreram, entrando com embargo de declaração, mas desta vez foi recusado. Portanto, este ano as provas cruéis não se realizarão”, comenta.

No acórdão publicado em maio de 2008, a desembargadora rejeita entre outros pontos, a alegação da União Sanjoanense de Esportes Hípicos de que “não houve a produção de provas que seriam absolutamente necessárias para a demonstração ou não dos alegados maus-tratos.”

Voto mantido

Com esta decisão, fica valendo o voto da desembargadora Capistrano, registrado no acódão que deu ganho de causa à USPA, em 2007. Diz o documento: “em que pese ser o rodeio atividade lícita e permitida, não poderá conter provas e atividades que impliquem maus-tratos aos animais, inclusive e principalmente as denominadas bulldog, laço em dupla e laço de bezerro, tampouco poderão ser utilizados sedéns, ponteiras metálicas, chicotes, aparelhos que causem choques nos animais, com o objetivo de que estes escoiceiem, pulem furiosamente ou corcoveiem, não devendo conter, finalmente, provas que abruptamente interrompam a desabalada carreira dos animais, a exemplo das provas em que peões derrubem os bichos e os arrastem pelos chifres ou pela cauda”.

Outras medidas para preservar a integridade dos animais também são exigidas pela desembargadora. “Também os bretes e currais em que acondicionados ou colocados os animais deverão ser construídos em local razoavelmente afastado dos alto falantes, em tamanho adequado a conter certo número de espécimes, observado seu tamanho e índole, com piso correto para absorver a queda dos bichos e dos peões/tratadores, fatores que deverão ser observados, conferidos e fiscalizados por veterinário durante todo o evento”.

De acordo com a advogada da USPA, Ana Paula Aleixo, ainda cabe a interposição de recurso ao Superior Tribunal de Justiça, para debate de matéria que abrange leis infraconstitucionais e/ou recurso extraordinário ao Supremo Tribunal Federal, para debate de matéria que abarca lei constitucional.

____________________________________________________________________


Nenhum comentário: